Conversas de Autocarro #1

Eu sou estranha nalgumas coisas. Mas espero que seja um estranho-bom. Porque quando eu for velhinha espero cruzar-me com pessoas estranhas como eu.

Digo “Bom Dia” ao condutor de autocarro, mesmo que ele não me responda, e às vezes falo com desconhecidos. Como estas conversas acontecem mais-ou-menos frequentemente, quero guardá-las com carinho. Porque se não fizeram a diferença para mais ninguém, fizeram para mim.

Na segunda-feira, sentei-me ao lado de uma senhora de idade bastante avançada. Sentei-me e até fiquei a pensar “será que devia ter dito “com licença”? Tínha-me ficado bem.”. Passado algum tempo ela dirigiu-me uma pergunta:

– Hoje é sábado?
– Desculpe?
– Hoje é Sábado, não é?
– Ah, não, não. Hoje é segunda-feira.
– Aaah! (riu-se) Sabe como é quando uma pessoa não tem o que fazer os dias são todos iguais!
– É verdade, quando estou de férias também não sei muito bem que dia da semana é. Só sei porque hoje fui trabalhar.

Ela riu-se mais. Tocou-me no braço. Podia ver-lhe nos olhos que ter alguém com quem conversar fazia toda a diferença. Continuou:

– E hoje nem fui almoçar ao sítio onde costumo ir porque pensava que era Sábado.

Sorri, também não sabia bem o que acrescentar. Ela recomeçou uma nova linha de conversa:

– Já se nota a diferença nos autocarros, com o regresso às aulas…
– Pois, já vai mais cheio. Podiam eram pôr mais autacarros a passar.

Ora bem, o que fui eu dizer. O que se seguiu foi uma discussão animada sobre o estado do país, a passividade do povo, uma carreira como professora, o tempo no estrangeiro (Canadá) e o marido não ser português. Contou-me que não gostava do inverno porque os dias acabavam tão depressa.

No fim, quando lhe disse que ia sair naquela paragem, tocou-me mais uma vez no braço. Sorriu-me do fundo da alma. Disse numa voz doce – como só aqueles que sabem o verdadeiro sentido da gratidão têm:

– Um bom resto de dia. Felicidades e boa sorte para o resto do dia e… olhe… para sempre.
– Obrigada e igualmente!

Por vezes, o assunto não tem qualquer importância. Sou da opinião firme que os pequenos gestos – sobretudo aqueles que são pequenas dádivas de atenção – podem fazer a diferença.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s