Everybody hurts

O choro é uma reacção que nos é natural. É nossa primeira forma de comunicação e é a mais violenta demonstração de emoção.

No fim do turno na sexta-feira, encontrei uma rapariga a chorar, ajoelhada no chão do bar. Estava no chão só para poder carregar o telemóvel e falava com alguém através do mesmo. Enquanto esperava que ela terminasse a conversa, dei-lhe alguns lenços de papel. Ela agradeceu e, quando a conversa terminou perguntou onde era a casa de banho.

De regresso ao bar, perguntei-lhe se precisava de alguma coisa. Ela procedeu a voltar a carregar o telemóvel e começou a contar-me o que se passava.

O namorado – fácil de adivinhar – tinha-a deixado pendurada à espera durante 4 horas. Não obstante, quando apareceu disse só que ia ter com o primo e desapareceu outra vez. Eu perguntei porque é que ela não tinha ido com ele. Ela chorou ainda mais e disse que ele não a tinha convidado.

Em resumo já lá iam mais de 5 horas que ela tinha consumido na sua pequena vida à espera do sacana.

Estava eu a meio da frase de lhe dizer que quando ele voltasse, para lhe dizer que não estava certo e que ela tinha de ter mais respeito por si própria quando ele aparece.

Eu saio de cena muito rapidamente e mais tarde vejo-os a afastar-se do bar na rua. Ele de braço no ombro do tal primo e ela atrás a chorar e ao telefone.

Ora bem, eu só tive direito a uma parte da história, não sei que tipo de psicose pode ou não ter a rapariga. Mas ele pareceu-me muito frio logo ali. Por muito que não estivesse nem aí para ela e que até quisesse terminar o namoro, exige-se um mínimo de respeito e alguma sensibilidade.

De qualquer forma, acabei o que tinha a fazer e saí. A caminho de casa, a pé e ao telefone com o O., estava eu a contar como o rapaz me tinha parecido um idiota pela forma como a tratou, quando olho para o lado e… Ei-los! Ele a pô-la num táxi.

Esta imagem em nada contribuiu para melhorar a minha opinião só piorou.

Deixou-me a pensar. Vivemos numa sociedade que nos envergonha por chorarmos, mas aceita e até respeita aqueles que nos fazem chorar. É cool ser macho-man e não mostrar sensibilidade. É um ciclo que se perpetua e que me faz perder a fé na humanidade.

Só espero que quando um dia for ele a chorar ajoelhado no chão, alguém lhe possa fazer chegar um par de lenços. Ser humano pode querer dizer que às vezes nos magoamos uns aos outros, mas não tem de querer dizer que somos feitos de gelo.


 

Crying is a natural reaction. It is our first form of communication and is the most violent expression of emotion.

At the end of the shift on Friday, I found a girl crying, kneeled on the bar floor. She was on the floor to charge her phone and was also talking to someone through it. While I was waiting for her to finish the conversation, I gave her some tissues. She thanked me, and when the conversation ended asked where was the bathroom.

Back at the bar, I asked her if she needed anything. She proceeded to recharge the phone and began to tell me what was going on.

Her boyfriend – easy guess – had left her hanging, waiting for 4 hours. Nevertheless, when he showed up just he said he was going to go meet his cousin and disappeared again. I asked why she had not gone with him. She cried even more and said he had not asked her to.

Long story short,  it had been more than five hours she had lost in her little life waiting for that bastard. So there I was, mid-sentence to telling  her that she should dump him, when he shows up.

I immediately made myself busy and, later, I saw them walk away from the bar on the street. He had his arm over his cousin’s shoulder and she was lagging behind, crying and  on the phone.

Well, I only had access to one side of the story, I do not know what kind of psychosis the girl may or may not have. But he seemed very cold with her. Even if you don’t want to be there of if you wanted to end the relationship, a minimum of respect and some sensitivity is required.

Anyway, I did what I had to do and left. On the way home, walking and on the phone with O., I was telling him the whole story, when I look to my right side and … there they are! He was putting her in a taxi.

This scene only made my opinion of him much worse.

It got me thinking. We live in a society that shames us for crying, but accepts and respects those who make us cry. It’s cool to be macho-man and to not show sensitivity. It is a cycle that goes around and makes me lose faith in humanity.

I just hope that one day, when he is the one crying kneeling on the floor, someone can get  him a couple of tissues. Being human can mean that sometimes we hurt each other, but it certainly doesn’t have to mean that we are made of ice.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s